top of page
disp-AM-Aniv-Andrade-1160x160.png
  • Foto do escritorFrancis Júnior Jornalista

ArcelorMittal e Fiemg pela descarbonização

O objetivo é a criação do Centro CIT/SENAI de Descarbonização Industrial!

A ArcelorMittal e a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) assinaram convênio de cooperação para a criação do Centro CIT/SENAI de Descarbonização Industrial na capital mineira.

O projeto vai receber investimento inicial de R$ 34 milhões para a estruturação básica de laboratório voltado para o desenvolvimento de tecnologias e projetos de descarbonização.

A assinatura ocorreu durante a abertura do Imersão Indústria, maior evento do setor no estado – e contou com as presenças do presidente da ArcelorMittal Brasil e CEO Aços Longos e Mineração LATAM, Jefferson De Paula, e o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, além do prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman.

Com foco em Pesquisa & Desenvolvimento (P&D), o Centro CIT/SENAI de Descarbonização Industrial vai promover a capacitação de profissionais para trabalhar com esta temática.

A estrutura básica do laboratório vai contar com equipamentos complementares à infraestrutura dos Institutos do CIT SENAI. Serão desenvolvidas ações e projetos relacionados a biocombustíveis sustentáveis, uso de hidrogênio verde, captura e transformação de CO2 e novas tecnologias de produção de aço.

“A criação do Centro CIT/SENAI de Descarbonização Industrial é mais um passo importante na nossa jornada de descarbonização. Para nós da ArcelorMittal, a parceria com a Fiemg é muito relevante, tendo em vista que um dos principais desafios da nossa sociedade e da indústria é alcançar a neutralidade do carbono. Este centro será fundamental para desenvolvermos em conjunto novas tecnologias que irão garantir a sustentabilidade das nossas operações”, afirmou Jefferson De Paula.

Meta de descarbonização

A ArcelorMittal lidera o processo de descarbonização na indústria do aço. Globalmente, o Grupo ArcelorMittal foi pioneiro no setor ao lançar a meta de ser carbono neutro até 2050 e, como passo intermediário, reduzir em 25% suas emissões específicas até 2030.

Até 2030, a empresa vai trabalhar com melhoria dos processos existentes e, depois disso, adotar tecnologias disruptivas que tornarão a ArcelorMittal carbono neutra até 2050.

O Grupo estuda alternativas tecnológicas para utilizar os gases de processo que contém CO₂, como, por exemplo, produzindo etanol para consumo e uso na indústria química, além de outras técnicas de captura de carbono.

No Brasil, a ArcelorMittal atua prioritariamente em quatro frentes: otimização da matriz metálica com aprimoramento do uso de sucata como matéria-prima; troca de combustível com a substituição parcial do carvão mineral por gás natural; maximização do uso de carvão vegetal renovável; continuidade na adoção de melhorias de eficiência energética nos processos de produção de aço.

26 visualizações
  • Whatsapp
  • Instagram
bottom of page